Buscar
  • Logistica Urbana e Mobilidade

Gestão de frotas: as contribuições do uso da telemetria

Atualizado: Nov 16

Guilherme Limeira Engenheiro mecânico (UFPE) e Mestre em estratégia corporativa - INSPER-SP gvlimeira@hotmail.com


Os custos logísticos correspondem a uma parcela significativa da composição final dos custos dos produtos. E, objetivamente, custos mais baixos é uma vantagem competitiva relevante que favorece as vendas e o desempenho financeiro. Assim sendo, reduzir os custos com as operações logísticas é fundamental para melhorar os resultados operacionais da maioria das empresas em diversos setores.  Os custos com transporte são, tradicionalmente, os mais impactantes na logística. Além da expectativa de custos menores, os embarcadores esperam sempre que o gestor do transporte e da logística vença o desafio de que o serviço também seja confiável, seguro, rápido e pontual. Nesse cenário, a habilidade com que uma transportadora atende a esses critérios depende, inevitavelmente, do desempenho dos motoristas em suas funções.  O desafio encarado pela gestão ao tentar controlar o comportamento dos motoristas pode ser analisado de forma eficiente sob a lente do problema entre agente e principal, pois é provável que haja um desalinhamento entre as metas das transportadoras (principal) e dos motoristas (agentes). E este desalinhamento é exacerbado pela inabilidade dos gestores em supervisionar de forma direta os motoristas, gerando assim assimetria de informação em seu favor. A teoria da agência, portanto, é particularmente relevante na gestão de motoristas de caminhão na medida em que explica o uso de controles tecnológicos para tornar o comportamento dos motoristas mais observável e assim reduzir a possibilidade de comportamentos oportunistas. A telemetria é uma ferramenta cada vez mais presente na gestão dos motoristas .O seu  objetivo principal é fornecer às transportadoras informações em tempo real e formar o histórico sobre a eficiência do veículo, o consumo de combustível e as horas de serviço. Os dados operacionais coletados também fornecem informações sobre a segurança dos hábitos de direção dos motoristas, permitindo que eles melhorem seus comportamentos ao dirigir. Essas informações podem ser utilizadas pelas transportadoras para alinhar os incentivos e reduzir os custos de agência. 

Com o objetivo de testar de forma empírica o impacto do monitoramento da operação dos motoristas por meio de sistemas de telemetria na redução do consumo de combustível e na redução do risco de acidentes das frotas sobre a redução de custos operacionais, foram acompanhadas as informações geradas por mais de 13 mil veículos comerciais em operação no Brasil durante o ano de 2019.  De forma complementar, o impacto do monitoramento no comportamento de direção dos motoristas foi analisado sob a ótica de um experimento natural, isto é, dois grupos de caminhões foram selecionados, sendo um controle (2360 caminhões) e outro tratamento (164 caminhões). O grupo de controle foi composto pelos caminhões que não foram monitorados em nenhum dos doze meses de observação e o grupo de tratamento foi composto pelos caminhões que não foram monitorados nos seis primeiros meses (janeiro a junho) e passaram a ser monitorados nos últimos seis (julho a dezembro). Os resultados obtidos confirmaram que o monitoramento afetou o comportamento de condução dos motoristas, ou seja, veículos monitorados possuíram melhores indicadores tanto no âmbito da redução de custos operacionais quanto do comportamento seguro ao dirigir. A melhoria na eficiência do transporte de cargas devido exclusivamente ao monitoramento pode ser atribuída com mais segurança ao consumo de combustível (desempenho), pois este indicador está sujeito a um grande controle por parte das empresas e a tendência de que as informações obtidas através do monitoramento tenham sido utilizadas para alinhamento de incentivos é maior. Isso porque, há uma forte competição por preço entre as transportadoras e o consumo de combustível é o maior componente variável de custo no setor de transportes.  Apesar dos resultados, o impacto do monitoramento pode certamente ser influenciado por outros fatores, por exemplo, por como as empresas utilizam a informação obtida, qual a importância dada para a variável monitorada, quais os incentivos e punições aplicados se as metas não forem atingidas, por isso não é possível concluir que a estratégia de monitoramento de forma isolada é a melhor solução para solucionar os desafios de gestão oriundos da relação entre motorista e gerente de frota. É possível extrair deste estudo, no entanto, que há uma tendência de maior utilização do monitoramento na gestão das frotas de caminhão e que esta ferramenta tem um grande potencial na redução de custos operacionais.  Ao fazer um simples exercício com os dados deste trabalho, pode-se ter uma melhor ideia do impacto financeiro de pequenas reduções no consumo de combustível para as transportadoras. Seja uma frota média composta por 50 veículos não monitorados e que cada veículo rode, em média, 9000 km/mês. Em um ano, esta frota terá rodado mais de 5 milhões de quilômetros e se considerarmos o desempenho médio dos veículos igual a 2,30 km/l, ao fim dos doze meses a frota terá consumido mais de 2 milhões de litros de diesel, que corresponde a um custo aproximado3 de 7 milhões de reais. Ao aplicar o monitoramento, se considerarmos um aumento no desempenho da ordem de 5% assim como o que foi obtido no presente estudo, a transportadora pode obter economias anuais da ordem de 350 mil reais. Mesmo considerando um custo mensal de 100 reais por caminhão monitorado, a contratação do serviço pode ser uma estratégia relevante para redução de custo operacional. Por fim, espera-se que os resultados obtidos neste trabalho sirvam de base para um melhor entendimento do uso da ferramenta do monitoramento e de práticas de gestão em busca da excelência operacional.


#Telemetria #Frotas #Informativo

2 visualizações
 

URBLOOG

UFMG

(31) 98717-9564

  • Facebook
  • LinkedIn

©2020 por URBLOG. Orgulhosamente criado com Wix.com